sexta-feira, 30 de maio de 2008

Regresso ao trabalho...

Pois, depois de uma fantástica semana a 4000km de casa tive de voltar para a labuta. Como se tal não bastasse, quando cheguei, deparei-me com uma quantidade astronómica de trabalho que sinceramente, nem visto. Estou para aqui afogado em tarefas e responsabilidades e que, olhando para trás, mais vontade me dão para retornar para a ilha que deixei para trás.

Agora a esperança é que consiga levar todo este trabalho a bom porto para ver se consigo respirar um pouco. E como o tempo aperta, vamos é trabalhar mais um pouco!

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Chipre 7 - Regresso


Parece inevitável. Os dias passam depressa, se não a correr, os minutos nem nos acenam e logo passado um instante, os momentos que tanto esperávamos passam num piscar de olhos. Foi assim esta semana. Depois de tanto planeamento, arranjos e esperas chegamos, e logo sem notarmos estamos de malas feitas para voltarmos para casa. Por vezes parece que não temos tempo suficiente para gozarmos tudo o de bom que temos na vida. O tempo falta para aqueles por quem temos carinho e afins.
Pois é, depois de estarmos esta maravilhosa semana cá no Chipre, após termos partilhado uma festa magnífica com o George e a Andri temos de voltar. Fomos para Larnaca, para o aeroporto e num instante tivemos de nos despedir. Só posso dizer muito obrigado pela estadia, pela hospitalidade, pela comida, pela companhia e por uma semana única que tenciono não esquecer. Espero que os meus amigos de Erasmus possam-se todos reunir em breve, isto porque uma vivência tão única e tão especial deve ser mantida sempre que possível.
Acho que este post mais parece uma ode à Saudade...

ps - Já vos disse que saímos do Chipre com 33ºC e chegamos com chuva e vento ao Porto
? Que animador :S

terça-feira, 27 de maio de 2008

Chipre 6 - Pré-regresso


Pode-se dizer que hoje foi o último dia que temos destas férias. Isto porque como todos sabemos o dia de amanhã é só para voltarmos para a pátria. Hoje tivemos tempo para conhecer um pouco mais de Nicosia (Laiki Yitonia) e fazermos as tradicionais compras. Felizmente havia itens para todos os gostos e como de costume o limite é mesmo a nossa carteira. Lá nos espalhamos pelas lojas, com os 35ºC em cima e comprarmos o que quisemos.

Logo depois metemo-nos à estrada para ir a Kalopanagiotis a aldeia da Andri. Isto porque os recém-casados queriam tirar lá fotos. Já que não tiveram lá o casamento, ao menos tiram umas fotos e é como se tivesse sido lá. :)
No entanto antes de qualquer actividade tratamos é de fazer o almoço em casa dos pais da Andri (apesar de já lá não estarem a morar a casa lá está, pronta para quem precisar). A massa que fizemos como de costume não foi a suficiente, mas deu bem para matar a fome.

A seguir, e enquanto eles estavam na sessão fotográfica, nós pudemos visitar ainda um museu que é uma pequena parte da aldeia, a qual faz parte do Património da Humanidade da UNESCO.
Mas agora há que fazer as malas...amanhã já não há mais Chire :(

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Chipre 5


Mais um dia, mais coisas novas para ver. Hoje o George e a Andri levaram-nos a Limassol à praia do Governador. Uma praia algo diferente do que tínhamos visto até agora. A grande diferença foi mesmo a areia. Não era aquela tradicional que todos conhecemos, mas uma bem escura, não preta mas também não faltava muito. A praia não tinha muita gente mas mesmo assim foi agradável banharmo-nos nas águas mediterrâneas.
Uma coisa castiça era que tinha uma base naval mesmo ao lado da praia. E como se isso não fosse interessante, mais interessante é o facto de o Chipre não ter frota naval. E aqui a pergunta vem, ai e tal, como é que uma ilha não tem marinha? A questão é o problema com a Turquia, e caso eles tivessem barcos poderia ser visto como uma afronta e provocar uma quebra na paz. Mesmo assim a base lá está...para os barcos gregos :)

Apesar de termos chegado tarde à costa a fome começou a apertar. E para variar de tanta carne que temos vindo a comer fizemos uma tainada de comida marinha. Tivemos marisco, vários tipos de peixe e outras iguarias, as quais após algum tempo nos puseram com algum cansaço.

Como o dia não começou muito cedo, não tardou a findar, por isso fomos a Beach Avenue (Enaerio) passear ao pé da praia. A avenida quase que fez lembrar a Figueira da Foz, embora com um areal não tão grande. Por outro lado a água tinha muito bom aspecto, completamente transparente e se não fosse a falta de material para nos banharmos acho que ia mesmo dar um mergulho...

domingo, 25 de maio de 2008

Chipre 4 - Casamento


Upa! Hoje é o grande dia para o George e para a Andri. Pois, também tenho de dizer que estávamos todos muito ansiosos. Tanto tempo a esperar por este dia e aqui está ele. O dia até começou relativamente cedo. Afinal o George estava todo eléctrico e como era compreensível, não queria que os tugas atrasassem a festa. Primeiro tivemos a Sílvia em pânico quando soube que tinha só uma hora para arranjar. Ai ai não pode ser! Assim não consigo! Mas lá tratamos de arranjar as indumentárias, e aqui devo referir que o processo não correu muito bem como esperado. Primeiro tivemos de passar os fatos e afins, e ai é que começou o problema. É que a água no Chipre não abunda, e a que há tem um alto teor de minerais e afins. Conclusão, fiquei com o fato manchado, a Cristina com o vestido às pintas. Bem, resumindo o dia não estava a começar da melhor maneira. Felizmente a mãe da Andri deu a sua preciosa ajuda e conseguiu solucionar o busílis.

Mas depois tivemos 3 grandes momentos. Primeiro fomos para casa do George e tivemos uma recepção. Acabamos de nos vestir e começamos a testemunhar uma das tradições locais. Por cá é o padrinho do noivo e a restante família que o arranjam e preparam a cerimónia. Barbeiam-no, vestem-no e quando está tudo pronto é que vai tudo para a igreja.
Na igreja a cerimónia é bem diferente. Bem, se calhar não tanto. Como são cristãos ortodoxos toda a cerimónia tem outros contornos, mas o resultado é muito semelhante. Acho que tenho de focar o ponto que nestas cerimónias só o padre é que fala e o resto ouve e mais nada.

Uma hora depois estávamos despachados, tiramos umas fotos e fomos para o local do copo de água. Mais uma vez a estratégia é outra. Mal chegam, os noivos abrem o bolo de noivos e bebem de maneira aos convidados poderem logo comer, e depois ficam 2 ou 3 horas num palanque a receber todos os convidados, que felizmente trazem um tributo ao novo casal (em Euros). O conceito é mesmo a comunidade se juntar e ajudar o novo casal a começar uma nova vida. Note-se que foram convidadas 1200 pessoas, mas como era Domingo não foram todas e as que foram nem todas foram comer, por isso só chegaram a comer 670 pessoas, coisa pouca...

Bem aqui pode-se dizer que a noite foi longa. Tivemos para já um lugar de destaque, a nossa mesa era mesmo em frente à dos noivos e se olhassem para a mesa mais a meio da noite já não havia muito espaço, isto porque abundavam os copos e garrafas (tudo cheio claro). Assim foi dançar e cantar a noite toda. Começando pelos “Loucos de Lisboa”, passando pelo “Engenharia” e terminando no hino nacional.
Resumindo foi um dia memorável, e felizmente há vídeos para o provar. Mais uma vez George, muito obrigado pelo convite...que grande festa!

sábado, 24 de maio de 2008

Chipre 3


Bem, mais um grande dia, desta feita fomos ver mais maravilhas desta acolhedora ilha. Começamos por nos dirigirmo-nos a Paralimni, para visitar a casa de férias do George, que por sinal está praticamente pronta. É uma casinha pequenina, mas dá bem para o gasto, e em breve acho que vai fazer as maravilhas dos nossos amigos cipriotas.
Mas como o objectivo também não era ficarmos a ver trabalho de construção civil, rumamos para os pedaços de terra ao pé do mar plantados.

Visitamos a praia de Protoras, mas como não era assim muito de nosso gosto acabamos por ir para a praia de Fig Tree (para quem não sabe a praia da figueira). Ai havia um lindo mar, água límpida, e muito sol para apanhar. Tivemos ainda o direito a andar de gaivota e passar mais algum tempo na galhofa em “mar alto”.
Mas com não podia deixar de ser não tardou a termos o sol a pôr-se e tivemos de rumar a casa. Já sei, o tipo está de férias e ainda se queixa! Bem mas quem disse que eu alguma vez estava bem? Pronto, pronto, às vezes até estou!
Chegados a casa ainda tivemos direito a um grande jantar com uma componente de carne. Pois, a Sílvia voltou para as batatas...

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Chipre 2


Olá caros leitores! Fui convidado para “postar” nas coisas do Lisboa (uiii, medo) e deixar um testemunho real, uma crítica, qual rubrica de Ricardo Araújo Pereira. Originalmente, tinha planeado partilhar uma pequena reflexão sobre a conjuntivite do olho do Lisboa. Ai… era um tema com muito potencial jocoso. No entanto, por motivos de agenda, tocou-me escrever sobre a nossa excursão ao Water Park em Ayia Napa.

De certo que todos já conhecemos ou, pelo menos, imaginamos a experiência do nosso Algarve. Hey, grande ideia para o Saramago: o Algarve separa-se da península e, empurrado pela borrasca de ventos de oeste, desloca-se pelo Mediterrâneo até á Líbia. Conclusão, estava um dia maravilhoso de céu aberto, o termómetro marcava uns amenos 30 graus e, de facto, não há muito mais que reportar.
Finalmente, quero deixar um abraço especial para as minhas fãs brasileiras que equivocadamente esperavam encontrar neste blogue temas interessantes sobre a cidade de Lisboa. 00351 (por o numero do Lisboa)
Sérgio Rasgado




Deixando aqui um abraço de apreço para o meu amigo Xé tenho ainda que referir que o dia não teve só a componente do parque aquático. Tivemos também a parte que consistiu no jantar de despedida de solteiro do George. Fomos comer a uma taberna bem tradicional, e que não passava numa inspeção da ASAE. Para além do espaço que não era muito tivemos uma refeição relativamente interminável. foram ... nem sei, 12 ou 14 pratos. Por entre várias iguarias tivemos ainda uma generosa porção de bebidas que acompanharam os petiscos nacionais desta linda ilha.
Bem mas a noite não acabou com o jantar. Mas quem lá esteve é quem lá esteve...

Chipre 1 - Chegada


Este post tem uma grande particularidade. Normalmente escrevo do sossego do lar, ou mesmo por vezes do trabalho. No entanto desta vez achei que seria por bem fazê-lo de um outro local, assim sendo estou a 4000km de casa (e a 1000km de Bagdad), mais precisamente da maravilhosa ilha do Chipre. E porque estar deste lado do mundo? Bem porque o meu amigo George (prenunciado iórgo) vai casar, e convidou-me e aos tugas para virmos ao casório. É claro que não vimos só nós. Temos também mais 1000 convidados, e não estou a por zeros a mais nem a menos.

No entanto o que primeiro tenho para contar é mesmo sobre a viagem. Começou na bela cidade do Porto e tivemos uma seguinte paragem em Londres. Bem esta paragem é caso para dizer que foi bem mais demorada que o desejado. Em vez de 5 horas tivemos lá mais de 7h sempre na seca... Chiça!
Mas lá chegamos. Hoje o dia foi dedicado ao merecido descanso e também a visitar a belíssima praia de Konnos. Que viu pela primeira vez (ou não) seres da terra das laranjas...(Portokalos). Mas amanhã há mais, possivelmente com contribuição de outros membros desta animada comitiva.