terça-feira, 30 de janeiro de 2007

conduzir / driving

Com o trabalho durante a semana e o descanso ao fim-de-semana não me tem sobrado muito tempo para passar por aqui. No entanto, e dados os acontecimentos de hoje, achei que tinha de vir escrever algo.

Hoje venho para aqui deambular um pouco sobre a condução automóvel. Já vou conduzindo há alguns anos (agora que penso nisso já está a fazer 6 anos) e acho que me vou mexendo muito bem. Sou cuidadoso e decidido e na estrada não me considero um perigo. Ora hoje tive 2 exemplos que me deixam chocado.

Um deles foi o exemplo do condutor espertinho. Estava eu a fazer uma rotunda (a rotunda ao pé do estádio do Bessa quem quiser saber) e como queria sair sinalizei a manobra e comecei a deslocar-me para as faixas de fora (como manda a lei). Ora na entrada imediatamente anterior à saída que ia tomar 2 espertinhos decidiram que iam entrar. Um deles travou a uns centímetros do meu carro e o outro se não fosse a minha travadela ia ficar com um carro bem mais estiloso. A minha questão é que, ainda por cima na cidade que é sempre para arranca, qual o interesse de andar feito condutor de formula 1? Ao fim do dia vamos ganhar 24 segundos é? Por isso não valerá a pena irmos com calma e chegar à mesma hora e não matar ninguém pelo caminho.

O outro exemplo é o verdadeiro oposto. Aquelas pessoas que não têm muita capacidade para a condução. Estava eu a esperar para estacionar o carro e estive a ver 2 mulheres durante 7 minutos a tentar tirar o carro do estacionamento. Após esse tempo lá desistiram e pediram para eu tirar o carro (suponho que seja desespero pedir a um estranho para tirar o carro) mas quando ia a iniciar as manobras o carro que estava a atrapalhar lá saiu e a mulher consegui acabar a manobra. Note-se que enquanto ela estava a tentar tirar o carro por 2 vezes ficou a 3 mm de bater em carros que estavam na proximidade.

Depois destes 2 episódios, e mesmo considerando que eu posso não ser um bom condutor, reafirmei a minha posição que tirar a carta deveria ser algo muito mais complicado do que é hoje. O processo de aprendizagem deveria ser mais rigoroso, deveriam haver testes psicológicos a verificar se as pessoas não se vão tornar “animais” quando estão atrás do volante. E deveria haver um acompanhamento mais próximo ao longo da vida do condutor. Mas tudo num ponto de prevenção e não de correcção.

Mas é possível que esteja para aqui a navegar sem rumo, mas é possível que alguém concorde comigo.

Because of the work during the week and rest during the weekend I haven’t had much time to write here. Even so, and due to the events that occurred today, I think I had to write something.

Today I’ll wonder a little over driving. I drive for some time now (6 years now that I think of it), and I think I kind of manage to do it well. I0m careful and decided and on the road I don’t see myself as a danger to society. Having that in mind today I had 2 examples that chocked me.

One of them is the smarty driver. I was doing a roundabout, going on the inside and I signaled and started going to the outside (as the law demands). Well on the entrance just before the exit I was going to take 2 “smart” drivers decided they had to get in. One of them broke just a few centimeters from me. The second one, wasn’t my swift brake, would be with a more stylish car. My point is, is it worth, specially inside a city always with the start/stop routine, driving as a formula 1 driver? At the end of the day one gains 24 seconds? Wouldn’t it be best to drive calmly, arrive at the destination at the same time and not killing anyone?

The other example was quite the opposite, one about those people without much ability to drive. I was waiting to park and watched 2 women trying for 7 minutes to take their car from were it was parked. After that time they gave up and ask me to take it out (it’s quite the act of desperation asking a stranger to take your car out). Well when I was starting the maneuvers the other car that was making it difficult went away. Nevertheless, the woman was for 2 times 3mm away from bumping into nearby cars.

After these 2 episodes, and having in mind that I’m not a top notch driver, I reaffirmed my position that having a driving license should be a more refined process. There should be psychological tests to see if people wouldn’t become “animals” while driving. Also there should be some type of supervision during the driver lifetime. All in a prevention and not correction point of view.

But it’s possible I’m wondering without a goal, but it’s also possible that someone agrees with me.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2007

resultado / result

Depois de tanto tempo sem escrever nada neste blog que me acompanha a muito tempo quase que mereço um castigo.

No entanto os últimos tempos têm sido extremamente complicados. Tive um grande desenvolvimento aqui no trabalho. O maior e mais complicado que já fiz desde que cá cheguei. Pode-se dizer que foram umas semanas complicadas mas no final consegui superar a prova e ter as coisas feitas.

Agora, depois desta maratona estou bastante aliviado. Andei durante este tempo todo com um grande peso em cima e agora que não o tenho parece que comecei de novo a respirar. Estou inclusive a pensar numa analogia, mas graças a uma conversa que tive com o Zé Manel, vai ficar só na cabeça.

Agora tenho novos desenvolvimentos pela frente, mas por enquanto posso descansar um pouco para recuperar o fôlego.

After so long without writing anything on this blog, a blog that’s with me for so long I really deserve some punishment.

Even so, lately things have been somewhat complicated. I had quite the software development here at work. It was the biggest and most complicated that I ever did here at the company. And after these last stressful weeks I finally managed to get things done.

Now after this marathon I’m quite relieved. I had quite the weight on my shoulders. And now that it’s gone I can finally breathe.

I even have an analogy, but thanks to a conversation I once had with Ze Manel, but I’ll keep it to myself.

Now I have some new developments ahead of my, but for now I can rest a little to catch my breath.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

Descanso / Rest

Este fim-de-semana, e como precisava, fui para fora. O trabalho já estava a deixar-me louco e fui relaxar. Fazendo uso do gps e de boa disposição fui para Braga e tratei de relaxar. A companhia foi boa e o sítio também A única coisa chata é que a piscina interna teve infiltrações e estava fechada, mas para compensar fomos para uma suite com banheira de hidromassagem. E viva o descanso. Pena é que, como sempre, os dias passaram a correr e logo chegou segunda-feira.


This weekend, and because I needed it, I went for some mini holidays. Work was leaving me insane and I went to relax. Making use of the gps and good mood I went to Braga and focused on resting. The company was good and so was the hotel. The only thing that was annoying was the inside pool being out of commission, due to some water infiltrations. But on the other hand they gave us a suite with a hydro-massage bathtub. Hurray for resting. A pity is that, as usual, days went by in a flash and Monday was upon me.

terça-feira, 2 de janeiro de 2007

Passagem de ano / New Year's

Esta passagem de ano foi algo diferente do normal. Principalmente pelo facto de estar de prevenção (para o trabalho). Estar de prevenção pode-se dizer que é uma seca. Tem de se estar sempre disponível porque nos podem telefonar a qualquer altura, e o resultado é que não podemos estar “felizes” durante a passagem de ano.

Por isso fiquei em casa com a família e amigos, e não pude sair. Apesar de tudo foi uma noite agradável, como se pode ver. E viva o bacalhau!

Welcoming the New Year was different this time. That was mostly due to being on prevention status (for work). Being on prevention is basically a drag. You have to be always available because you can be called at anytime. In the end you can’t be “happy” for the party.

So I ended up staying at home with family and friends, and I couldn’t get out. But all in all it was a good night as you can see. And hurray for the codfish!